Nutrisafra Fertilizantes Ltda | Fertilizantes de Alta Performance

Nutrição com fertilizantes organominerais 29/01/2012

O cultivo de pepino tem uma expressão muito importante em todo o mundo, especialmente na culinária típica de cada País. No Brasil não poderia ser diferente. Na região sul estão localizados os maiores plantios destinados especialmente à indústria, bem como nos estados de São Paulo, Paraná, Minas Gerais e Rio de Janeiro, que abastecem os principais centros consumidores da região sudeste.

É importante destacar que o pepino e, em particular, as cultivares mais antigas possuem muitas sementes de polinização aberta, que tornam o produto demasiado amargo, por produzirem um componente orgânico chamado tecnicamente de cucurbitacin, substância que torna o pepino não só de sabor desagradável como indigesto.

Contudo, esta substância foi extraída por meio de melhoramento genético, o que aconteceu com alguns híbridos do tipo Beith-Alpha, apelidados erroneamente no Brasil de “pepinos holandeses” e de alguns do tipo japonês pela razão de possuírem a mesma característica que em inglês se denomina “bitter free”, o que quer dizer que seus frutos são livres do sabor amargo.

Evolução agrícola

De acordo com as sugestões dos órgãos oficiais de pesquisa mais conceituados do Brasil, os primeiros cuidados são aqueles relativos à correção do solo para níveis de pH de 6 a 6,2 e V% em torno de 70%. Além disto, é importante considerar-se o nível de matéria orgânica, fundamental neste tipo de produção, pois como a cebola possui um sistema radicular reduzido e superficial, agradece sobremaneira a adição com 15 dias de antecipação da sementeira, e o mínimo de 5.000 kg/ha de um bom esterco já devidamente compostado e estabilizado.

Ao invés da logística para o transporte e processamento de compostagem para a incorporação do material orgânico exigido, a Nutrisafra já dispõe do “Magma”, composto de substâncias orgânicas nobres e aminoácidos, cuja dosagem não ultrapassa os 1.500 kg/ha.

Nutrição de ponta

A Nutrisafra considera como absolutamente necessária dentro dos novos conceitos de sustentabilidade a utilização dos seguintes teores dos principais nutrientes por ha: 150 kg a 200 kg de N; 350 kg a 450 kg de P2O5; 300 kg a 400 kg de K2O; 50 kg de S; 60 kg de Ca e 20 kg de Mg.

Disponibilizamos para o mercado o melhor pacote nutricional, específico para cebola, que permite de forma inédita a correção do pH na maioria dos casos, a fosfatagem, a aplicação da matéria orgânica e dos macronutrientes, simultaneamente.

Alguns produtores mais tecnificados e um reduzido número de empresários que atuam na comercialização resolveram apostar e acreditar em algo novo e, neste contexto, surge, por exemplo, o Sr. Luiz Carlos Lúcio, um dos melhores produtores de tomate em penca e pepino partenocárpico, que, devido ao seu esforço pessoal em aprender e desenvolver estas novas tecnologias, tem conseguido elevada produtividade e qualidade.

Outra empresa que se destaca neste mesmo setor é a Refricon Alimentos Ltda., processadora e fornecedora da rede Mc’Donalds, que da mesma forma procura empregar as melhores tecnologias disponíveis, bem como adotar os conceitos preconizados de um manejo agronômico sustentável e politicamente correto.

Todos os técnicos desta organização adotam os melhores procedimentos relacionados às certificações vigentes, incluindo fertilizantes de menor impacto ambiental, como o NutriAtivo AO-15, certificado pelo IBD, bem como o Cooperhúmus e o Coopercotia 2B Plus, no sentido de conseguirem um reconhecimento do seu público-alvo, e um valor agregado diferenciado do mercado convencional.

Recomendações

Quanto ao manejo de nutrição para o cultivo protegido, a Nutrisafra informa que os níveis mais adequados, segundo os melhores dados de pesquisa, seriam os seguintes para estufas novas de primeiro plantio: 120 kg de N, 65 kg de P2O5, 300 kg de K2O, 70 kg de S, 100 kg de Ca, 50 kg de Mg, 0,44 kg de B, 0,09 kg de Zn e 2,5 de Fe por hectare, porém, o fator mais importante e que se deve manejar com o mais absoluto critério é o nível de C.E. (condutividade elétrica), um dos problemas mais sérios na maior parte das regiões produtoras, especialmente nas estufas com mais de três anos de utilização.

Como uma grande contribuição da nossa parte, sugerimos a subsolagem a 0,60 m de profundidade e logo após se providencie uma rega contínua, que dependendo da vazão, deveria ser constante durante 24 a 36 horas, no sentido de se lavar os excessos de sais do cultivo anterior, para posteriormente se iniciar um novo manejo com a C.E. de 1 ms no máximo, na solução do solo.

Procedendo desta maneira, poderão ser reduzidas perdas que muitas vezes ultrapassam os 60% de frutos curvos, completamente depreciados pelo mercado. Como a rega está diretamente relacionada com o nível salino do solo, recomendamos, da mesma forma, o fornecimento de água em períodos regulares, em pequenas quantidades, de modo a manter o solo com uma umidade constante e uniforme, sem grandes picos de deficiência hídrica.

A Nutrisfra Fertilizantes Ltda., mais uma vez se sente orgulhosa e realizada com os esforços que está fazendo, no sentido de levar para o mercado a melhor tecnologia em fertilizantes organominerais.